Primeiros traçados do loteamento de Coufal/1930
Fonte: Acervo de Antenor Ferrás Vieira Filho

Oswaldo Coufal, o grande idealizador do Bairro Ipanema, Zona Sul de Porto Alegre, nasceu em Pelotas no dia 5 de novembro de 1899, formou-se em engenharia civil em 1922, e em 1931 já constituía sociedade com os irmãos Agrifoglio , cujo objetivo era transformar uma grande área rural à beira do Guaíba em um balneário para veranistas.

Assim, toda a área onde hoje se encontra o Ipanema foi lentamente urbanizada. A pavimentação das ruas foi feita compedra irregular extraída da pedreira existente no local e o serviço de captação e distribuição de água para as casas de veraneio era feito, inicialmente, direto do rio, e posteriormente, por meio de poços artesianos e de um grande reservatório construído na praça central. A energia elétrica era distribuída a partir de um gerador próprio e por um tempo limitado de uso diário. Desta forma, os meses de veraneio, férias e calor eram ansiosamente aguardados por todos aqueles que gostavam de Ipanema e que tinham casas na região. O Rio de Janeiro foi a inspiração do loteador ao dar nome às ruas e ao balneário, que queria ver transformado em ponto turístico. Osvaldo Coufal adorava a capital carioca e levava a família para passar férias no bairro da Urca. Assim, ele se utilizou de um suposto imaginário ligado à Cidade Maravilhosa para criar e divulgar o novo bairro. O nome Ipanema, portanto, foi uma homenagem à conhecida praia carioca, da qual gostava muito. Rua da Gávea, Leblon, Flamengo e Leme, entre outras, faziam parte do novo balneário. Assim, com um grande espírito empreendedor, o entusiasmo de Coufal foi se consolidando e o bairro tomando forma, o que se observa da afirmação de Fernando Gay da Fonseca: “A formação do bairro, o loteamento foi na década de 1930 pelo Coufal, mas a configuração oficial, dos registros públicos foi em 1959, na Prefeitura. Porque na nossa escritura dos terrenos ainda é pelos balneários. Aqui são vários balneários. Até a ponte é Balneário Ipanema – que é o do Oswaldo Coufal. Da ponte até a próxima esquina na Avenida Oswaldo Cruz é Balneário Guaíba. Em seguida é Balneário Juca Batista. Depois vem Balneário Palermo e logo adiante Balneário Caiçara, até entrar no Espírito Santo e Guarujá. Todos pequenos, mas com profundidade”. Gay da Fonseca descreve, desta forma, a configuração dos balneários no bairro Ipanema, nos anos de 1930. Com o passar dos anos, Ipanema foi se transformando e adquirindo aos poucos características de uma pequena cidade do interior. Com um plano de urbanização que incluía a igreja, as praças e a escola, a remodelação ficou a cargo do mesmo projetista da Praia de Imbé, Ubatuba de Faria. Engenheiro e projetista, Faria traçou ruas arredondadas e preservou as matas, entre elas os majestosos e centenários eucaliptos, que se mantiveram no bairro até meados dos anos 1980.

Anúncios