Fernando Affonso Gay da Fonseca nasceu em Porto Alegre em três de dezembro de 1923.  Filho único de João Pereira da Fonseca, engenheiro da Viação Férrea do Rio Grande do Sul, e de Odila Gay da Fonseca, responsável por inúmeros trabalhos sociais na cidade, Fernando teve uma infância feliz e tranquila ao lado de seus pais. Inicialmente, residente à Avenida Duque de Caxias, no centro de Porto Alegre, em prédio da família, e, mais tarde, na Zona Sul, no bairro Ipanema, em um chalé de veraneio, presente de sua mãe Odila, local em que viveu até os últimos dias de sua vida. Fernando Gay da Fonseca faleceu em 03 de fevereiro de 2017.

Gay da Fonseca em família, Acervo particular

Gay da Fonseca em família, Acervo particular

O menino Fernando concluiu seus estudos elementares no Colégio Anchieta ainda na década de 1930. Formou-se na universidade em ciências jurídicas e sociais pela UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 1947 e em 1950, finalizou os cursos de pós-graduação em Administração Pública e Sociologia pela universidade de Colúmbia em Nova Iorque. Quando esteve residindo em Nova Iorque para estudos, levou também sua mãe Odila e sua esposa Denise.

Ao longo de sua trajetória acadêmica e profissional, Fernando Gay da Fonseca exerceu atividades de destaque, não só a nível regional e nacional, mas também fora do país. Foi professor da PUCRS – Pontifícia Universidade católica do Rio Grande do Sul, por mais de quarenta anos, lecionando sociologia e filosofia e, posteriormente, na faculdade de direito da mesma instituição. Segundo ele, sempre gostou de dar aulas, pois acreditava que essa atividade abria caminhos, mostrando novas paisagens, e que o mestre nunca esgota os assuntos diante de seus alunos.

Quanto aos cargos públicos, foi assessor jurídico, por concurso em 1946, e diretor administrativo do Tribunal de Contas do Estado, função na qual se aposentou. Foi Secretário de Estado dos Negócios do Interior e Justiça, sendo responsável pelas secretarias de Educação e Cultura, e Segurança Pública, Trabalho e Habilitação. Assumiu o governo do Estado por licenciamento do governador Ildo Meneghetti na década de 1960. Também esteve na diretoria da Novacap em Brasília e da Corretora de Valores do Banrisul.

Na política, destacou-se como deputado, senador e secretário de Estado. Em 1961 foi designado pelo Presidente da República para integrar a delegação brasileira na Assembleia Geral das Nações Unidas na ONU. Participou também de outras delegações brasileiras no ano de 1967 e de inúmeros seminários e encontros na África, Ásia e Europa, residindo em cidades como Paris, Genebra e Nova Iorque.

Fernando Gay da Fonseca assume o governo do RS. Acervo particular

Fernando Gay da Fonseca assume o governo do RS.
Acervo particular

Em 1978, foi indicado a uma vaga no Conselho Federal de Educação, período em que integrou também a Câmara de Legislação e Normas do Conselho. Durante o período de redemocratização do país na década de 1980, Gay da Fonseca trabalhou pela abertura democrática. Fundou, no âmbito nacional, junto a outros colegas, o PFL – Partido da Frente Liberal, passando a integrar o Diretório Regional do Rio Grande do Sul. Em 1986 foi eleito presidente do Conselho Federal de Educação, permanecendo nesta função até 1989, ano em que, designado pelo Presidente da República, ocupou a função de subchefe da delegação do Brasil na 40º Conferência Internacional da Educação, em Genebra.

No período em que Gay da Fonseca esteve à frente do Conselho Federal de Educação, realizou inúmeras viagens internacionais de estudos e pesquisas, integrando as delegações brasileiras na UNESCO, em Paris. Ao longo de toda a sua vida, Gay da Fonseca foi homenageado com prêmios e condecorações pelos serviços prestados como educador, político e diplomata.  Entre os títulos recebidos, destaca-se a Ordem do Mérito Civil, Grau Cavaleiro, instituída pelo rei D. Affonso XIII da Espanha e a Ordem Grande Oficial, atribuída pelos altos serviços prestados na educação. Na PUCRS, em 1987, recebeu por eleição, o título de Docente Emérito, e, em 1993, por decisão unânime dos pares da Câmara Municipal de Vereadores, recebeu o título de Cidadão Emérito da Cidade de Porto Alegre.

Representante na UNESCO. Acervo particular

Representante na UNESCO. Acervo particular

A atuação nas questões diplomáticas do Brasil no exterior rendeu a Gay da Fonseca, em 1997, a condecoração da Ordem Soberana de Malta, grau Cavaleiro. A Ordem de Malta é uma organização humanitária soberana internacional, reconhecida como entidade de direito, cujo objetivo é o de auxiliar pessoas, entre elas, idosos, deficientes, refugiados e crianças. Em 2003, assumiu como diretor da Faculdade de Direito São Judas Tadeu, em Porto Alegre. Nesse mesmo ano foi eleito para a cadeira de número quatro da Academia Brasileira de Educação. Fernando Gay da Fonseca também manteve boas relações com os membros da igreja católica.

Durante toda a sua carreira, Fonseca produziu documentos, livros e relatórios, os quais deram unicidade a suas ideias. Entre essas obras destacam-se: Retratos (2003), Fragmentos (2007), Cartas da ONU(1990), O Mundo em Manchete (1995), Presença na vida pública (1989) e Cartas de viagem. Até recentemente, contribuía com textos e artigos para alguns jornais de circulação como o Correio do Povo e a Zero Hora.

Anúncios