Durante muito tempo, antes do inicio da era das rodovias, o principal meio de transporte entre Porto Alegre e as cidades junto aos rios eram os vapores da Cia. Arnt de Navegação. Fundada pelos alemães Jacob e Leopoldo Arnt, a empresa funcionou até a década de 1960. Com o objetivo de assegurar o abastecimento da capital, Jacob tornou viável a navegação sistemática entre os rios, suas cidades e Porto Alegre. O principal barco da frota era o vapor Porto Alegre, de 42 metros, capaz de transportar até 400 passageiros. Tinha camarotes, cozinha e refeitório. Levava cinco horas para percorrer, por exemplo, o trajeto entre Porto Alegre e a cidade de Taquari. O confortável vapor também fazia viagens de turismo nos domingos pelas llhas e praias do Guaíba. Entre essas praias, o vapor chegava até o extremo da zona sul, no arrabalde da Tristeza, onde atracava na aprazível praia de Pedra Redonda, própria para banhos e com estrutura para receber os turistas. Segundo matéria publicada na Revista do Globo (20/03/1943):

“Dotado de larga experiência e observação feita em outros centros de navegação fluvial e mesmo no Rio de Janeiro, na Baía da Guanabara, – passeios nas conhecidas barcas para Paquetá, o Sr. Arnt não podia ficar indiferente ao surto de progresso da nossa capital que, aos poucos, vem se transformando na mais importante cidade de turismo do sul do país, com acesso fácil às praias marinhas e fluviais. Desde fins de 1941 pôs em práticas os passeios fluviais aos domingos, sendo que nos dias uteis faz viagens redondas entre Porto Alegre e Taquari, num dos melhores vapores de que dispõe, o Porto Alegre. E tal o sucesso dessas viagens de recreio aos domingos e dias feriados durante o verão, que raras são as famílias portoalegrenses ainda não acostumadas a esses aprazíveis passeios em torno das ilhas e das praias do Guaíba. Os vapores já se tornam mesmo pequenos para acomodar o grande numero de excursionistas que acorrem às suas viagens”.

Vapor Porto Alegre (Revista do Globo/1943)